quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Visitas boas

Ontem estas duas minhas queridas meninas estiveram cá em casa!
Tinha muitas saudades vossas.
Obrigada pelo miminho.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Palco

Hoje estive lá... e voltei a sentir o formigueiro na barriga!
Que saudades!!!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Condenada à bomba!

Sinceramente estou farta da bomba!
Consegui nutrir um ódio à dita cuja que até parece que ela o está a sentir e quer ceder, melhor, avariar. No entanto é bom que não avarie!!! Sim, porque embora já nem a possa ver à frente (já lá vão quase 4 meses de partilha de horas sem fim, se ela tivesse um conta kilómetros acho que já teria dado a volta ao mundo), a verdade é que tenho que continuar nesta rotina, caso contrário uma das minhas feijocas passa fome!
A questão continua a ser a mesma. Da mama direita sou capaz de tirar 120 mililitros de leitinho-do-bom, o que é aceitável, mas da esquerda há momentos em que tiro apenas 40!!! Se não usasse este método, coitada da feijoquinha que estivesse na esquerda.
Estou condenada!
Como em tudo há aspectos positivos e outros negativos.
É claro que quero continuar a amamentar, é claro que espero ter muito leitinho-do-bom para as minhas feijoquitas o máximo de tempo possível, mas não me venham com histórias, quem dá leite artificial tem a vida muito mais facilitada, ora vejamos, não tem as mamas do tamanho do mundo, pode fazer uma dieta a sério para abater os kilos ganhos, não tem aquelas fomes doidas depois de amamentar, não tem que exibir as mamas em público, não tem que ser a mãe a dar o biberão, etc, etc, etc.
Não estou a defender o leite artificial, e repito, quero ter leitinho-do-bom durante muito tempo, mas não me atirem areia para os olhos quando dizem que amamentar é muito mais prático! Para mim não- é-não-senhor!
Tenho dito!



Oh Deus, não me interpretes mal, olha que eu quero continuar a ter leitinho-do-bom, está bem? Agora não me castigues e não me seques o leite de um dia para o outro que as minhas bonequinhas ainda precisam muito destas mamas malucas!

Feliz Natal

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Será do espírito natalício?

Há pouco dei por mim a pensar numa pessoa que há muito me bateu com a porta.

Ela costumava dizer que existiam amigos apenas de nove meses, tempo que dura um ano lectivo.
Eu dizia-lhe que nunca seria uma amiga de nove meses.
Ela, quando tinha novos (ou antigos) namorados, esquecia-se de mim, voltando apenas se algo corresse mal.
Eu estava sempre disponível e esquecia os golpes e birras de menina mimada (até o irmão dela me dizia «Tu aguentas muito!»).
A dada altura namorávamos com dois amigos, e saíamos sempre os quatro, até que, de um momento para o outro, sem aviso prévio ela saiu da minha vida, batendo com a porta furiosamente.
Nunca percebi, nunca me explicou, mesmo com insistência minha.
Todos os anos mandamos mensagens de aniversário e de Feliz Natal uma à outra. Acho que estamos a ver qual de nós se esquece primeiro. Esta situação dura há oito anos.

Hoje, sem motivo aparente, lembrei-me dela.
Se calhar devia telefonar, mas não me apetece. Ainda estou cansada de ela errar e eu ir consertar. Talvez esteja a ser mázinha, orgulhosa, ou outra coisa qualquer. Paciência. Vou apenas pensar nela e mandar telepaticamente bons fluídos. Sempre fiz tudo para que ela estivesse bem e sempre lhe desejei tudo de bom, mesmo durante estes oito anos de silêncio entrecortado por duas mensagens anuais.

Talvez um dia os nossos caminhos se cruzem novamente e eu perceba.
Ou talvez a função de cada uma de nós na vida da outra já tenha terminado e por isso nunca mais nos vamos ver.

O tempo o dirá.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Viajar com as feijocas

Este fim de semana, ou melhor, domingo, 2ª e 3ª-feira fomos até ao Algarve e correu tudo muito bem!

As nossas feijocas dormiram durante a viagem toda e eu a tirar leite com a bomba (a minha máquina é uma maravilha, porque também funciona a pilhas), enquanto o papá conduzia quebrando por vezes os limites de velocidade (e eu sempre a chateá-lo e ele sempre a dizer «é para limpar o tubo de escape» ou «a carrinha precisa de andar» ou «a carrinha é que está a pedir mais» etc, etc, etc, a tentar desculpar-se da infração). O único problema durante a viagem foi eu ter derramado uns 60 mililitros de leitinho-do-bom quando fazia uma mudança de copo!

O tempo não esteve muito de feição e os horários das feijocas, juntamente com o horário de inverno, não nos permitiram fazer aqueles passeios à beira mar que tanto queríamos, mas o saldo foi muito positivo.

A reter - Nunca mais deixo o esterilizador em casa! Utilizar o velho método da panela com água a ferver não é a mesma coisa!

Estamos prontos para outra!

domingo, 29 de novembro de 2009

Às vezes acho...

... que sou demasiadamente insatisfeita,
outras que sou compreensiva, tolerante e paciente em excesso.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Sempre a crescer - percentil 50!!!

Ah pois é, as feijocas não páram de crescer e continuam a rebentar com as escalas todas!

I - 5,290
S - 5,400

Ai, ricas mamocas! Ai, rico leitinho cheio de natinhas que engordam!

Finalmente!

Hoje, quando fui pesar as minhas feijocas à pediatra, passei pela livraria para comprar os dois livrinhos da querida Ariane Brand e... de repente...

"Olha o que reeditaram!"

E lá estava ele, pousado em cima da mesa...

Há tantos anos que esperava por isto, agarrei-me imediatamente ao livro, "Finalmente o Morreste-me!"


Já cá canta!



Escusado será dizer que agora vou dedicar-me a ele e só lá para a madrugada é que voltarei ao Caim.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Todo o tempo é precioso

Principalmente à noite e de madrugada, quando estou na minha rica bomba a tirar leitinho para as minhas feijocas, leio os livrinhos que o meu maluco me compra (hábito que vem desde o tempo da gravidez). Durante estes últimos tempos, as escolhas literárias têm-lhe pertencido, assim, primeiro foram estes, depois estes e estes e depois dele ter comprado os outros dois volumes da triologia Millenium

(este

e este,


que acabei de ler esta madrugada),

vou hoje começar com

Caim do meu querido Saramago!

Uma das vantagens de tirar leite com a bomba é esta, sempre tenho um tempinho para ler umas coisas.

Depois deste, logo se vê o que virá no carrinho de compras!

Lindo!

Vale mesmo a pena passar 20 minutos a ver este pequeno filme.

http://www.thedoorpost.com/hope/film/?film=4dd298f102c77b625cf37a9e7744ac68

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Mais uma saída das boas

Hoje fomos as três (eu e as minhas feijocas, claro) até aqui e estava-se lá tão bem!...

sábado, 21 de novembro de 2009

Parabéns

Hoje o meu sobrinho-malandro-de-olhos-lindos-e-travessuras-marotas faz anos!

Parabéns, meu amor, pelos 6 anitos!

(Estou mesmo a ficar velha, parece que foi ontem que ele nasceu e agora já vai para a escola e tudo!)

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Saídas...


Hoje fomos as três à praia... e foi tão bom... só as três a olhar o mar (bem, elas nem por isso viram o mar porque estavam tapadas [estava uma aragem fria], mas ouviram-no)... bem, e depois viémos embora que as cachopas são de alimento e já era hora!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Texto notável de Ricardo Araújo Pereira

Profs....a culpa é deles!
Neste momento, é óbvio para todos que a culpa do estado a que chegou o ensino (sem querer apontar dedos) é dos professores. Só pode ser deles, aliás.
Os alunos estão lá a contragosto, por isso não contam.
O ministério muda quase todos os anos, por isso conta ainda menos.
Os únicos que se mantêm tempo suficiente no sistema são os professores. Pelo menos os que vão conseguindo escapar com vida. É evidente que a culpa é deles. E, ao contrário do que costuma acontecer nesta coluna, esta não é uma acusação gratuita.
Há razões objectivas para que os culpados sejam os professores. Reparem: quando falamos de professores, estamos a falar de pessoas que escolheram uma profissão em que ganham mal, não sabem onde vão ser colocados no ano seguinte e todos os dias arriscam levar um banano de um aluno ou de qualquer um dos seus familiares.
O que é que esta gente pode ensinar às nossas crianças? Se eles possuíssem algum tipo de sabedoria, tê-Ia-iam usado em proveito próprio. É sensato entregar a educação dos nossos filhos a pessoas com esta capacidade de discernimento? Parece-me claro que não. A menos que não se trate de falta de juízo mas sim de amor ao sofrimento. O que não posso dizer que me deixe mais tranquilo. Esta gente opta por passar a vida a andar de terra em terra, a fazer contas ao dinheiro e a ensinar o Teorema de Pitágoras a delinquentes que lhes querem bater.
Sem nenhum desprimor para com as depravações sexuais -até porque sofro de quase todas -, não sei se o Ministério da Educação devia incentivar este contacto entre crianças e adultos masoquistas.
Ser professor, hoje, não é uma vocação; é uma perversão. Antigamente, havia as escolas C+S; hoje, caminhamos para o modelo de escola S/M. Havia os professores sádicos, que espancavam alunos; agora o há os professores masoquistas, que são espancados por eles. Tomando sempre novas qualidades, este mundo. Eu digo-vos que grupo de pessoas produzia excelentes professores: o povo cigano. Já estão habituados ao nomadismo e têm fama de se desenvencilhar bem das escaramuças. Queria ver quantos papás fanfarrões dos subúrbios iam pedir explicações a estes professores. Um cigano em cada escola, é a minha proposta. Já em relação a estes professores que têm sido agredidos, tenho menos esperança. Gente que ensina selvagens filhos de selvagens e, depois de ser agredida, não sabe guiar a polícia até à árvore em que os agressores vivem, claramente, não está preparada para o mundo.
Ricardo Araújo Pereira in Opinião, Boca do Inferno, Revista Visão

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Às vezes a mesma data comporta memórias antagónicas.

Hoje é dia 11 de Novembro!


Hoje faz oito anos que decidimos dizer o «sim».

Foi o dia mais frio do ano!
É impossível esquecer:

- a paciência da cabeleireira amiga;

- o bouquet mais trabalhoso e bonito de que há memória;

- o atraso ligeiro do noivo;

- o nervosismo do noivo;

- o passo apressado da noiva para chegar ao altar,

- a oração dita pela noiva que tinha tanta mensagem e que tão poucos perceberam (se é que perceberam - até no meu casamento não deixei de procurar consciencializar o pessoal!);

- o nosso amigo-homem-das-castanhas que alegrou todos com a sua animação e o "palmier";

- os rostos enregelados de todos;

- a loucura do miúdo, que hoje é um homem, com o bouquet da noiva e a sua sucessiva pergunta «Vais atirar esse bouquet?»;

- o buffet que nem foi tocado;

- o carro-que-tem-nome-de-gente todo enfeitado e as latas a fazer faísca por todo o caminho;

- o bem que nos fez aquele jakuzi duplo quentinho no motel-de-beira-de-estrada-com-cama-de-água.


O número oito traz bons augúrios.

«O oito é, universalmente, o número do equilíbrio cósmico. (...) É também o das pétalas de lótus e dos caminhos da Vida.(...) A tradição cristã [...] faz do oito uma conclusão, uma completude. [...] ele é o símbolo da ressurreição, da transfiguração, anuncia a futura era eterna: comporta não só a ressurreição de Cristo, como também a do homem. (...) Anuncia a bem-aventurança do século futuro num outro mundo. (...) O sinal matemático do infinito é um oito deitado e a carta número oito do Tarot de Marselha representa a Justiça, símbolo de completude totalizante e do equilíbrio.»

Dicionário dos Símbolos, Jean Chevalier e Alain Gheerbrandt

No meio de tantos emails que só nos fazem perder tempo, às vezes surge um ou outro interessante. Este é um deles!

VIVER DESPENTEADA
Hoje aprendi que é preciso deixar que a vida te despenteie, por isso decidi aproveitar a vida com mais intensidade...
O mundo é louco, definitivamente louco...
O que é gostoso, engorda.
O que é lindo, custa caro.
O sol que ilumina o teu rosto enruga.
E o que é realmente bom dessa vida, despenteia...
- Fazer amor, despenteia.
- Rir às gargalhadas, despenteia.
- Viajar, voar, correr, entrar no mar, despenteia.
- Tirar a roupa, despenteia.
- Beijar a pessoa amada, despenteia.
- Brincar, despenteia.
- Cantar até ficar sem ar, despenteia.
- Dançar até duvidar se foi boa ideia colocar aqueles saltos gigantes essa noite, deixa seu cabelo irreconhecível...
Então, como sempre, cada vez que nos vejamos eu vou estar com o cabelo bagunçado... mas pode ter certeza que estarei passando pelo momento mais feliz da minha vida.

É a lei da vida: sempre vai estar mais despenteada a mulher que decide ir no primeiro carrinho da montanha russa, que aquela que decide não subir
Pode ser que me sinta tentada a ser uma mulher impecável, toda arrumada por dentro e por fora, O aviso de páginas amarelas deste mundo exige boa presença:
Arrume o cabelo, coloque, tire, compre, corra, emagreça, coma coisas saudáveis, caminhe direito, fique séria... e talvez deveria seguir as instruções, mas quando vão me dar a ordem de ser feliz?
Por acaso não se dão conta que para ficar bonita eu tenho que me sentir bonita...
A pessoa mais bonita que posso ser!
O único que realmente importa é que ao me olhar no espelho, vejo a mulher que devo ser.
Por isso, minha recomendação a todas as mulheres:
Entregue-se, Coma coisas gostosas, Beije, Abrace, dance, apaixone-se, relaxe, Viaje, pule,durma tarde, acorde cedo, Corra, Voe, Cante, arrume-se para ficar linda, arrume-se para ficar confortável, Admire a paisagem, aproveite, e acima de tudo,
deixa a vida te despentear!!!!
O pior que pode acontecer é que, rindo frente ao espelho, você precise se pentear de novo...

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

...

... foi há um ano por esta altura...

Já passou, embora fique sempre no cantinho da memória que se quer apagar.

domingo, 1 de novembro de 2009

sábado, 31 de outubro de 2009

As temíveis "picas"

Hoje fomos às vacinas! Não foi uma, não foram duas... foram três - a conta que Deus fez!
As minhas meninas até se portaram bem, afinal só choraram um pouquinho (claro, os gritinhos da I. forma mais estridentes que os da S., mas já seria de esperar)!
São umas valentes, estas feijocas!!!

Momentos

Ultimamente a minha I. acorda de manhã e sorri para mim... nesse momento esqueço-me das dores-nas-costas-que-me-matam, das noites-mal-dormidas, do não-descanso, da correria-fralda-mama-bomba-biberões-esterilização, dos choros-guinchos-tipo-vão-me-matar, das idas-e-vindas-para colocar-a-chucha-que-cai, etc, etc, etc...

sábado, 24 de outubro de 2009

Revelação

O meu maluquinho está a revelar-se um cozinheiro excelente!
Estes foram os pratos que até agora tenho que salientar: Polvo Guisado à Faial e Costeleta de Novilho Grelhada com Esparregado. Tanto num como no outro menu houve a ajuda da amiga Bimby, mas a verdade é que o gostinho especial está sempre na mão de quem confecciona e confesso, estava divinal!

Berçários e afins

Após um périplo por alguns infantários, começo a pensar que me querem roubar e ver passar fome, portanto o melhor seria contratar alguém para ficar cá em casa com as miúdas.

Se alguém conhecer alguém de confiança, agradeço que me digam, pois estou a ponderar a hipótese.

Percentil 25

Ah pois é! As feijocas já estão no percentil 25, o que para gémeas é muito bom!

Aqui ficam as medidas actualizadas hoje:
I. - 3,970gr, alt. 54cm
S. - 4,190gr, alt. 54,5cm

Sim, continuam a engordar e a crescer a olhos vistos, graças a estas ricas mamas, em particular a da direita que é especial. A pediatra até diz que sou a "mãe-modelo" por causa da questão da amamentação!? "Vistes", logo eu que não "pescava"/"pesco" nada da coisa até me estou a sair benzito.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Por vezes...

... olho para elas e ainda penso que é mentira, que não é possível... eu?... mãe?... e acho que é um milagre!

Outras, penso "No que é que me fui meter!!!" (isto, claro, quando estão as duas aos guinchos, sim, aos guinchos, e berros ou porque estão esfomeadas, ou porque estão com cólicas, ou simplesmente porque existem e querem fazer-se ouvir. Acho que tenho aqui umas belas sucessoras para gritar «Oh Joaquiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiimmmm!»)

terça-feira, 20 de outubro de 2009

É a loucura!

Por vezes estou a dar de mamar a uma, a falar com a outra e a dar festas ao gato com o pé!...
É a loucura total!!!

sábado, 17 de outubro de 2009

Olha o que eu encontrei hoje nas bombas de gasolina aqui do bairro...

É claro que não resisti!
É incrível como os nossos sentidos regem a nossa vida. Em segundos, lá estava eu novamente nos meus sete anitos a abrir e a fechar a boca para sentir melhor os estalinhos na boca!

Se a minha querida amiguinha lê isto... ralha comigo!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Coisas que não fazem sentido

Hoje tive que ir ao Centro de Saúde pedir uma credencial e achei interessantíssima a máquina com comida que lá estava. Eis o cardápio:
- batatas fritas;
- bolachas com chocolate;
- chocolates (vários);
- bolos;
- refrigerantes com gás.

A preocupação com a saúde pública começa logo ali na sala de espera, não haja dúvida!

Mamas que engordam!

Definitivamente há mamas que engordam mais que outras!

Na semana em que a I. está na mama direita rebenta com a escala de crescimento semanal, quando é a S. acontece o mesmo!

É assim, a minha mama direita é hipercalórica!

domingo, 11 de outubro de 2009

Dicas de saúde infantil

A nossa S. continuava com problemas em fazer cocó, por isso falei com a nossa pediatra (mulher experiente, prática, crente em métodos naturais) que nos aconselhou a dar duas colheres de chá de maçã reineta cozida por dia e aguadar dois dias e... hoje, a nossa feijoquita lá fez o serviço sozinha e em quantidade!

Nunca uma fralda nos deu tanto prazer trocar.



(Este já é o segundo post de merda! hihihihihi!)

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Cocó abençoado

Há dois dias que a minha feijoca S. não fazia cocó, aliás nos últimos quatro dias só o fez quando estimulada, o que nos estava a preocupar imenso.
Hoje, estava eu já a marcar o número do nosso S.O.S. Pediatria para receber instruções, quando, de repente, oiço lá de dentro "Amoooooooooor, a S. fez uma cagada!"

Nunca um cocó nos deixou tão felizes!

Vadiagem

Nestes últimos dias tem sido só vadiagem!!!
Para além do "jantarinho" no dia 2, ontem não resisti e rumámos a Santo Antão, com direito a participação no cortejo e gritos "Oh Joaquiiiiiiiiiiiiiiimmmmmmmm", e hoje fomos cantar os parabéns ao elemento mais velho da família (85 anos), reunindo assim o mais velho e as mais novas!

As feijocas? Delirantes! Só querem é rua, as galdérias!

sábado, 3 de outubro de 2009

Primeira real aventura a quatro!

Pois é verdade, ontem decidimos ir jantar fora os quatro, sim, os quatro, nós e as feijocas!
Fomos ao restaurante do costume (e que vai deixar de o ser, definitivamente já viu melhores dias, agora que remodelaram tudo e que até parece um restaurante, e não uma tasca limpinha, descuraram na qualidade da comidinha, portanto Aufwiedersehen!!!) e para não variar pedimos o costume.
O autocarro entrou (i.e. carrinho de gémeos) e lá tivemos que escolher escrupulosamente a mesa para que não incomodássemos ninguém! As feijocas portaram-se muito bem durante todo o jantar, até as tivémos que acordar para comer, pois já tinha passado muito para lá da hora prevista. Foi uma excelente primeira experiência. Aliás, já percebemos que na realidade as miúdas gostam é de rua, porque quando chegámos houve sinfonia... e "da boa"!!!

Lição - quando elas estiverem malucas, meto-as no carro e vou passear!

P.S. - Esta noite deixaram-me dormir até às 7h!!! Da 1h até às 7h!!! Que maravilha, parece que dormi uma noite inteirinha!!! Foi a sua prenda de aniversário!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Parabéns...

... a mim!

A idade não interessa, que isto a partir de uma determinada fasquia passa tudo depressa demais! Qualquer dia estou nos "entas" sem dar por isso!
Meeeeeeeeeeeeeeeedddddddddooooooooooo!!!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Pequenos prazeres

Como tinha 40 minutos entre uma mamada e outra, decidi pintar as minhas unhinhas, afnal, há mais de um mês que isso não acontecia.

... mas pelos vistos, elas já começaram a dar sinal... lá se vão as unhas!...

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Dieta

"Ora não queiram lá ver" (deve ser lido com sotaque alentejano) que as minhas feijocas com apenas um mês e três dias já estão a ser pressionadas, oprimidas, atrofiadas com a história das dietas. Desgraçadas das miúdas!!!
Pois que engordaram numa semana o dobro do suposto e então a sentença é esta: cortar na ração do suplemento (embora esta tenha sido a semana em que elas menos suplemento beberam, porque o sistema de "dar de mamar à bomba" funcionou e havia muito leitinho materno para dar. Talvez o problema tenha sido exactamente esse! Se a mãe é gorda e tem tendência para engordar, o seu leite deve estar cheio de calorias e engorda as filhinhas. Bolas, tinham logo que sair a mim neste aspecto!? Oh miúdas herdem outras coisas que não as piores da mãe, pode ser?)!

domingo, 27 de setembro de 2009

Eleições legislativas

... voltei a fazê-lo...

Depois de ter decidido uma coisa, no último minuto fiz o mesmo que há alguns anos atrás, e mais uma vez não me sinto bem com a minha consciência. É claro que o meu voto, por si só, não é/foi decisivo no resultado final, mas... quantas pessoas não terão pensado como eu? ... e agora...

Pela segunda vez faço o mesmo, nas mesmas circunstâncias.

Não pode haver terceira!

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Conchas recoletoras de leite

A minha querida amiga A minha essência veio fazer-me uma visitinha hoje e trouxe-me as famosas Conchas recoletoras de leite (bem, na verdade eu não sabia que isto existia, mas isso até é normal, afinal é fruto da minha eterna ruralidade).
Para quem não sabe, e que escândalo isso é, estas conchas servem para colocar nos mamilos entre mamadas, a fim de permitir que o mamilo respire e simultaneamente recolhe os célebres pingos de leite que costumam molhar os discos de amamentação.
Já me sinto outra! Apesar de ficar com as mamas com o dobro do tamanho e com um formato no mínimo cómico, o resultado é que as minhas lolitas, ou melhor, aquelas que já foram lolitas e que agora são lolonas, respiram e ainda posso aproveitar as gotinhas de leite que vão caindo para as minhas esfomeadas.

Modernices que nos facilitam a vida. Como é que pode haver alguém que desconhece esta maravilhosa invenção?!

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Há desejos que julgamos ter, mas que a acontecerem percebemos que não o queríamos efectivamente.

Há pensamentos que temos e que não devíamos ter porque corremos o risco deles se concretizarem.

Estou tão

IRRITADA!!!


(... mas por que motivo sou assim e não consigo relevar esta ou aquela situação? Acabo sempre por fazer mal a mim e aos outros por causa desta mania/deste feitio! Sinto-me mal por não ser compreendida e fico destroçada porque faço sofrer aqueles que gostam de mim e de quem eu gosto. Quero fazer tudo bem, seguindo as minhas convicções, mas acabo sempre por errar. No fundo, sou espartana demais comigo e com os outros e o que na teoria é correcto, na prática é muitas vezes cruel. Tenho que alterar isto!)

Amamentar gémeas

... por onde começar?...
Neste momento a minha vida resume-se a dar de mamar, de duas em duas horas lá estou eu de mamas de fora para satisfazer os apetites das minhas feijocas esfomeadas.
Depois do episódio da mastite, tive que começar a "dar de mamar à bomba" logo após dar de mamar às filhotas, ora, se dar de mamar às feijocas equivalia a uma hora e "dar de mamar à bomba" a meia hora, isso significava que me restava apenas trinta minutos úteis para fazer outras coisas, portanto esta semana estou a adoptar outro sistema que me permite ter uma hora de tempo útil para os outros afazeres (mais coisa menos coisa).
Cá vai: dou de mamar durante cinco minutos e depois dou-lhes o resto do leite através do biberão (atenção, este leite é materno, nada de suplementos, enquanto estas mamas forem uma imitação das tetas das vacas será este o leite que as princesas vão beber). Depois disso vou "dar de mamar à bomba" para ter leitinho na mamada seguinte.
Benefícios deste sistema: é tudo mais rápido, o que me permite fazer outras coisas (como por exemplo estar aqui agora enquanto elas não dão sinal); continua a existir o momento do carinho, miminho, abracinho enquanto estou a dar de mamar de facto, havendo assim aquela ligação e partilha suprema, só nossa, de amor profundo; as mamas continuam a ser estimuladas e por isso dão leite para as minhas meninas.
Claro, outra solução seria dar de mamar em simultâneo, no entanto, embora consiga fazê-lo, a verdade é que essa é uma situação que apresenta alguns problemas, como por exemplo: quando o mamilo sai da boca de uma delas por algum motivo é dificílimo voltar a pô-lo no sítio, tendo em conta que ambas as mãos estão ocupadas; como é que se pôe a arrotar?; um momento único como este não tem o mesmo peso emocional quando partilhado, porque não consigo dar atenção real a nenhuma delas.

E tenho dito! Esta é a minha experiência! Vamos ver até quando dá resultado!

E agora lá vou eu pôr as mamas de fora que este intercomunicador já começou a acender as luzes encarnadas como quem diz «Oh tu aí que estás refastelada no sofá a teclar, saca as mamas para fora que nós queremos comer!»

Amiguinhas!

Ontem, fomos surpreendidos com esta imagem!


As nossas feijocas estavam a dormir de mão dada! Deus queira que isto signifique que elas serão para sempre amigas!

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Mastite

Pois é, ontem as dores de cabeça começaram (julgava eu que era fruto da sinfonia do dueto cá de casa), a febre atacou e as dores no corpo levaram-me à cama.
Telefonei para a saúde 24 e fizeram-me um mau diagnóstico.
Durante a noite a febre aumentou.
Hoje de manhã decidi ir à minha médica de família. Eu sei que muitas pessoas se queixam das suas médicas de família, mas a minha é excelente, adoro-a, sabe sempre o que se passa e consegue resolver qualquer situação com carinho e preocupação.
Veredito final - uma mastite. Portanto, agora depois de dar de mamar tenho que "dar-de-mamar-à-máquina", que é como quem diz, tirar leite com a bomba.

Força, pode sempre acontecer mais alguma coisa!!!

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Eu não disse?

Já voltou à carga!

Vou seguir o conselho da pediatra e comprar um MP3 para não as ouvir e conservar assim a sanidade mental!!!

Sem mais recursos

Já lhe dei mama, já fiz as massagens e ginástica para as cólicas, já lhe dei 10 mililitros de suplemento (porque parecia ser fome), já lhe dei mimo e a I NÃO SE CALA E SUPOSTAMENTE DAQUI A UMA HORA TORNA A MAMAR.

PORQUE É QUE AS CRIANÇAS NÃO TÊM UM BOTÃO ON/OFF NESTAS SITUAÇÕES???



Olha, miraculosamente calou-se, passados 45 minutos de estar a chorar!!! O melhor é falar baixinho não vá a miúda perceber e desatar no berreiro outra vez!

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

E o melhor amigo das mães inexperientes é...

COLIMIL!!!!!!!!!!!

(klap, klap, klap, kalp, klap)

Com COLIMIL pode dormir à noite (mais ou menos) descansada durante duas horas seguidas!!!

(klap, klap, klap, kalp, klap)

domingo, 6 de setembro de 2009

Apresentação oficial das feijocas




Esta é a I.



E esta é a S.

Diferentes posturas

Quando eu estou preocupada com alguém ou quero saber novidades dessa pessoa, eu entro em contacto com ela, mas se não o fizer não lhe vou cobrar o facto dela não me ter telefonado.

Será normal alguém se mostrar muito chateado por nós não telefonarmos, dizendo «Eu estava tão preocupada convosco e vocês não dizem nada, não telefonam...»? Será que não deveria ser essa pessoa a telefonar? Ou sou eu que estou completamente equivocada e tenho andado todos estes anos a errar?

sábado, 5 de setembro de 2009

Sem mãos a medir

Eu bem queria vir aqui fazer o relato dos acontecimentos, mas não tem sido fácil, entre mamadas de duas em duas horas (e que duram quase uma hora, o que não é mau, já foi pior!!!), mudar fraldas, fazer a comida, beber água, dar banho, tomar banho, arrumar umas coisas, olhar para elas e para o meu maluco, etc, etc, etc, não resta tempo para contar as novidades... e se há novidades!!!

domingo, 30 de agosto de 2009

... e sem aviso prévio...

... as minhas feijocas nasceram!

Um dia destes, com tempo, sim, porque preciso de muito tempo para falar sobre este assunto, contarei com pormenores:
- o último CTG como passaporte para o parto;
- a vontade inabalável da médica que quis que elas nascessem naquele dia;
- as vinte e quatro horas mais longas da minha vida;
- a enfermeira-gente;
- o momento do choro ouvido ao longe e a primeira visão;
- a realidade das horas/dias a seguir ao parto;
- a enfermeira-por-defeito
- a sensação de impotência e necessidade de auto-superação;
- a chegada a casa;
- o primeiro susto, o primeiro grande erro, a primeira odisseia;
- ...

P.S. 2- Afinal os nomes já estavam escolhidos, faltava só assumir. A feijoca 1 é I. e a feijoca 2 é a S.

P.S.2 - Comentário do papá babado - Estão todas malucas comem, dormem e cagam, aliás temos uma cagona que é a sra.S.

domingo, 23 de agosto de 2009

Ordem para andar!

Como agora a ordem é para andar, decidi que hoje tinha que ir à praia para poder ter o meu, talvez único, banho de mar!...
A escolha da praia foi má, logo, a única coisa que tive foi um banho de areia!
Almoçámos noutra praia, provavelmente para onde deveríamos ter ido logo de início, e de barriga cheia (isto até parece uma piada - "barriga cheia"!!!) já não pude dar o gostinho ao corpo de "dar um mergulho no mar".

Quem não gostou nada do passeio foram os meus pézinhos que aproveitaram para inchar mais um pouco! Qualquer dia pareço a Fiona!

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Os batimentos cardíacos das feijocas

Ontem, finalmente, o meu maluco conseguiu ouvir claramente a "ouvido-nu" os corações das nossas feijocas!

IUPIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII



36 semanas!!!


... e o meu umbigo está assim...



Não está saído tipo bolha, mas está esticadinho, esticadinho, esticadinho!

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Exposição de Fotografia

O meu amigo Lapsos de Tempo vai ter uma exposição individual de fotografia com o tema “Sentires Mediterrânicos” na Fábrica da Pólvora (Barcarena), no Edifício 51, de 29 de Agosto a 6 de Setembro, entre as 14 e as 20 horas. A inauguração é no dia 28 deste mês, pelas 21 horas.

Aconselho vivamente!!!

Sobre a educação - Recebido via email

*A indisciplina nas escolas (vista por F. Savater)*

Especialistas reunidos em Espanha
Aumento da violência nas escolas reflecte crise de autoridade familiar

Especialistas em educação reunidos na cidade espanhola de Valência defenderam hoje que o aumento da violência escolar deve-se, em parte, a uma crise de autoridade familiar, pelo facto de os pais renunciarem a impor disciplina aos filhos, remetendo essa responsabilidade para os professores.

Os participantes no encontro 'Família e Escola: um espaço de convivência', dedicado a analisar a importância da família como agente educativo, consideram que é necessário evitar que todo o peso da autoridade sobre os menores recaia nas escolas. ‘As crianças não encontram em casa a figura de autoridade', que é um elemento fundamental para o seu crescimento, disse o filósofo Fernando Savater.

'As famílias não são o que eram antes e hoje o único meio com que muitas crianças contactam é a televisão, que está sempre em casa', sublinhou. Para Savater, os pais continuam 'a não querer assumir qualquer autoridade', preferindo que o pouco tempo que passam com os filhos 'seja alegre' e sem conflitos e empurrando o papel de disciplinador quase exclusivamente para os professores. No entanto, e quando os professores tentam exercer esse papel disciplinador, 'são os próprios pais e mães que não exerceram essa autoridade sobre os filhos que tentam exercê-la sobre os professores, confrontando-os', acusa. 'O abandono da sua responsabilidade retira aos pais a possibilidade de protestar e exigir depois. Quem não começa por tentar defender a harmonia noseu ambiente, não tem razão para depois se ir queixar', sublinha. Há professores que são 'vítimas nas mãos dos alunos'. Savater acusa igualmente as famílias de pensarem que 'ao pagar uma escola' deixa de ser necessário impor responsabilidade, alertando para a situação de muitos professores que estão 'psicologicamente esgotados' e que se transformam 'em autênticas vítimas nas mãos dos alunos'. A liberdade, afirma, 'exige uma componente de disciplina' que obriga a que os docentes não estejam desamparados e sem apoio, nomeadamente das famílias e da sociedade. 'A boa educação é cara, mas a má educação é muito mais cara', afirma, recomendando aos pais que transmitam aos seus filhos a importância da escola e a importância que é receber uma educação, 'uma oportunidade e um privilégio'. 'Em algum momento das suas vidas, as crianças vão confrontar-se com a disciplina', frisa Fernando Savater.

Em conversa com jornalistas, o filósofo explicou que é essencial perceber que as crianças não são hoje mais violentas ou mais indisciplinadas do que antes; o problema é que 'têm menos respeito pela autoridade dos mais velhos'. 'Deixaram de ver os adultos como fontes de experiência e de ensinamento para os passarem a ver como uma fonte de incómodo. Isso leva-os à rebeldia', afirmou. Daí que, mais do que reformas dos códigos legislativos ou das normas em vigor, é essencial envolver toda a sociedade, admitindo Savater que 'mais vale dar uma palmada, no momento certo' do que permitir as situações que depois se criam. Como alternativa à palmada, o filósofo recomenda a supressão de privilégios e o alargamento dos deveres.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Verdade ! ?

Hoje, depois do meu Dr. House, fiz um zapping e parei no Sic-ao vivo exactamente no momento em que iam entrevistar o Diogo Morgado, e a verdade é que às vezes até temos agradáveis surpresas!
O rapaz vai ser pai e numa expressão clara, correcta e concisa conseguiu descrever aquilo que também eu sinto «de repente, vou ter um diploma de um curso que não tirei!».

terça-feira, 18 de agosto de 2009

CTG

Ontem fui ao hospital fazer o primeiro CTG!
... bem, para além de ser um exame secante, porque a grávida tem que estar durante trinta minutos quietíssima com umas faixas à volta da barriga que vão monotorizando os batimentos cardíacos do bebé, no meu caso as coisas "complicaram-se" um pouco, já que, supostamente, para que conseguissem captar as duas feijocas tive que ficar numa posição completamente desconfortável (e não me podia mexer!), isto sem falar do facto de subsistir a dúvida acerca da validade do exame, uma vez que um dos enfermeiros que foi lá dar uma espreitadela alterou a posição das faixas, alegando que as duas estavam a captar apenas os batimentos de uma das feijocas!...
Depois disto, passámos à ecografia para ver a quantidade de líquido amniótico, o que constituiu mais uma dificuldade «Fazer ecografias a gémeos é muito difícil, não se consegue medir bem o líquido...».

Talvez fosse bom haver mais estudos de caso, mais investigação, formação, etc em gravidezes gemelares, não? É que tenho sempre a sensação que qualquer exame ou análise é um quebra-cabeças!

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Tanto falaram, tanto falaram...

... que hoje os meus pés incharam!
Satisfeitas?

sábado, 15 de agosto de 2009

Hoje é o dia "lá da terra"!

Quando era pequena, queixava-me à minha mãe, dizendo que todas as pessoas tinham uma terra só eu é que não, o que me inibia de dizer a célebre frase - «Este fim de semana vou à terra!»
Um dia, tinha eu uns dez anos, conheci a terra do meu pai e a partir daí comecei a dizer, porque o sentia e continuo a sentir, que aquela era/é a minha terra do coração.
Desde há uns vinte e cinco anos, mais coisa menos coisa (meu Deus, estou mesmo a ficar velha!!!), estes são dias que se passam «lá na terra». Esteja eu onde estiver, nos dias 14, 15 e 16 (ou no mínimo o 15) rumo ao Alentejo para respirar aquele ar abafado (muitas vezes temos temperaturas de 40º), acordar ao som de foguetes, tomar um banho revigorante na "fonte da vila", ouvir aquela pronúncia linda, ver a procissão passar (e a passagem de modelos que a acompanha. Ainda subsiste por lá a tradição de estrear um roupinha naquele dia!), assistir à largada de toiros ou à garraiada, visitar as exposições dos artistas da terra, ir ao bailarico, comprar umas rifas e receber prémios que se voltam a dar no ano seguinte (de tão maravilhosos que são!), beber umas minis, comer uma fartura e ficar com azia a seguir, deitar-me no muro (em frente à nossa casa) a olhar para as estrelas e dormir na varanda ao relento, tal é o calor.
Este ano estou a faltar à chamada.
Para o ano lá estarei!

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Saco das compras

Juntamente com a fruta, os guardanapos, o queijo, a manteiga, etc, etc, etc, hoje chegou este livro...


(539 páginas! Espero chegar ao fim antes das minhas feijocas nascerem!)

Mais uma semana...


35 semanas

(A barriga já não cabe na máquina!!!)

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Outro daqueles emails que valem a pena!

L.I.V.R.O - Millôr Fernandes

Millôr Fernandes: Um novo e revolucionário conceito de tecnologia de informação

Na deixa da virada do milênio, anuncia-se um revolucionário conceito de tecnologia de informação, chamado de Local de Informações Variadas, Reutilizáveis e Ordenadas - L.I.V.R.O.
L.I.V.R.O. representa um avanço fantástico na tecnologia. Não tem fios, circuitos elétricos, pilhas. Não necessita ser conectado a nada nem ligado. É tão fácil de usar que até uma criança pode operá-lo. Basta abri-lo!
Cada L.I.V.R.O. é formado por uma sequência de páginas numeradas, feitas de papel reciclável e capazes de conter milhares de informações. As páginas são unidas por um sistema chamado lombada, que as mantêm automaticamente em sua sequência correta.
Através do uso intensivo do recurso TPA - Tecnologia do Papel Opaco - permite-se que os fabricantes usem as duas faces da folha de papel. Isso possibilita duplicar a quantidade de dados inseridos e reduzir os seus custos pela metade!
Especialistas dividem-se quanto aos projetos de expansão da inserção de dados em cada unidade. É que, para se fazer L.I.V.R.O.s com mais informações, basta se usar mais páginas. Isso, porém, os torna mais grossos e mais difíceis de serem transportados, atraindo críticas dos adeptos da portabilidade do sistema.
Cada página do L.I.V.R.O. deve ser escaneada opticamente, e as informações transferidas diretamente para a CPU do usuário, em seu cérebro. Lembramos que quanto maior e mais complexa a informação a ser transmitida, maior deverá ser a capacidade de processamento do usuário.
Outra vantagem do sistema é que, quando em uso, um simples movimento de dedo permite o acesso instantâneo à próxima página. O L.I.V.R.O. pode ser rapidamente retomado a qualquer momento, bastando abri-lo. Ele nunca apresenta "ERRO GERAL DE PROTEÇÃO", nem precisa ser reinicializado, embora se torne inutilizável caso caia no mar, por exemplo.
O comando "browse" permite fazer o acesso a qualquer página instantaneamente e avançar ou retroceder com muita facilidade. A maioria dos modelos à venda já vem com o equipamento "índice" instalado, o qual indica a localização exata de grupos de dados selecionados.
Um acessório opcional, o marca-páginas, permite que você faça um acesso ao L.I.V.R.O. exatamente no local em que o deixou na última utilização mesmo que ele esteja fechado. A compatibilidade dos marcadores de página é total, permitindo que funcionem em qualquer modelo ou marca de L.I.V.R.O. sem necessidade de configuração.
Além disso, qualquer L.I.V.R.O. suporta o uso simultâneo de vários marcadores de página, caso seu usuário deseje manter selecionados vários trechos ao mesmo tempo. A capacidade máxima para uso de marcadores coincide com o número de páginas.
Pode-se ainda personalizar o conteúdo do L.I.V.R.O. através de anotações em suas margens. Para isso, deve-se utilizar um periférico de Linguagem Apagável Portátil de Intercomunicação Simplificada - L.A.P.I.S. Portátil, durável e barato, o L.I.V.R.O. vem sendo apontado como o instrumento de entretenimento e cultura do futuro. Milhares de programadores desse sistema já disponibilizaram vários títulos e upgrades utilizando a plataforma L.I.V.R.O.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Jantarinho à beira mar

Depois da médica decidimos ir beber café à praia para desanuviar, mas a verdade é que o café prolongou-se e depois de mudarmos de "poiso", acabámos por jantar também na praia, afinal, hoje (que já é ontem) é dia 11, ou seja nove anos e cinco meses de namoro, ou então sete anos e nove meses de casamento!
A meio do jantar (bastante saudável por sinal - linguado grelhado com legumes), houve "discos-pedidos-cantados-ao-vivo". O meu maluco sugeriu logo a nossa musiquinha de eleição.



Este foi o último dia 11 a dois (as feijocas existem, mas ainda estão na barriga).
Se Deus quiser, o próximo dia 11 já será a quatro!

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Notícias das feijocas

Hoje fomos à médica.
Ouvimos os corações, confirmámos as posições e fizémos previsões. (ões, ões, ões)
Depois de ter estado mais de dois meses da cama para o sofá e vice-versa, vai começar a época da kilometragem.
Para a próxima semana tenho ordem de soltura para começar a andar.
Segundo a médica, os gémeos de 36 semanas são «de termo», portanto já vai sendo altura de abrir o caminho para a luz! (Eu continuo na minha, gostava que fosse só lá para 27/28 deste mês, assim elas teriam 37 semanas! "A ver vamos")

Notícias menos boas:
Tenho que ir fazer a análise «da curva», a fim de nos certificarmos da existência, ou não, de diabetes.
Quanto aos kilos... já lá vão 18! Segundo a médica, o excesso de melancia e da posição horizontal provoca destas coisas!... Sou mesmo burra! Andei a enfardar melancia, não só porque adoro, mas também porque estava convencida de que não engordava nada nem provocava diabetes e afinal...
Nunca pesei tanto na minha vida, nem nos meus piores tempos!

Não tenhas juízo não!

Nem todos os emails são para perder tempo!

Normalmente, quando abrimos a nossa caixa do correio existe uma grande quantidade de emails para ver que, enfim, como hei-de dizer... deixam a desejar! No fundo é sempre a mesma coisa: powerpoints com frases cliché na tentativa de moralizar, mas que não surtem efeito nenhum, já que são sempre iguais; vídeos do tipo «apanhados»; anedotas; mensagens que supostamente temos que reenviar a pelo menos 10 pessoas, caso contrário algo de mal acontecer-nos-á; etc, etc, etc, mas a verdade é que no meio disto tudo, por vezes, aparece um ou outro email que vale a pena. Ontem recebi um, que está publicado aqui, que vale a pena!

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Só lhe falta falar!

É...
brincalhão
reguila
esgazeado
mal-comportado
nervoso
aventureiro
meigo
calmo
atencioso
ciumento
emocional
amoroso
maricas
sensível
eternamente carente
intuitivo
carinhoso
protector
companheiro
amigo
...
Parece gente, só lhe falta falar!

sábado, 8 de agosto de 2009

Raul Solnado

Tendo em conta o contributo que deu a Portugal, a sua maneira de estar, o seu sorriso aberto, enfim, toda a sua vida, parece-me que este poderia ser o seu desejo:

Fim

Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,
Façam estalar no ar chicotes,
Chamem palhaços e acrobatas!

Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza...
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro.

Mário de Sá Carneiro

Verdade ! ?

A frontalidade será sempre mal assumida pelos outros. Há pessoas que preferem ser enganadas a ser confrontadas com a verdade.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Verdade ! ?

Encontrei aqui este post «Há dias um amigo disse-me, duas vezes: "Não se trata de estar bem. Trata-se de escolher onde estou menos infeliz".»
Esta frase chega a ser de uma crueldade extrema!

Mais do mesmo

Já não consigo ser subtil, nem racional, nem sensível, nem cuidadosa, nem atenciosa, nem querida, nem nada!
Odeio estar a fazer o que estou a fazer, odeio sentir o que estou a sentir, odeio ser o que estou a ser, mas já não consigo lidar com a situação de outra maneira, e embora as minhas intenções sejam as melhores, eu serei sempre a ovelha negra, a má, a ingrata, etc, etc, etc, exclusivamente por dizer e mostrar a verdade dos factos.

Cada pessoa tem que ter a sua vida.
Ninguém se pode anular para viver a vida dos outros e viver em função dos outros.

Eu não tenho a culpa da forma como cada um conduz a tua vida.
Eu não tenho a culpa que o amor nem por isso tenha existido na vida de cada um.

Eu tenho a minha vida.
Eu amo.

Tens que te libertar!
Tens que ter a tua vida!

Eu tenho que aprender...
... a estar calada.
... a deixar correr.
... a não me preocupar com a forma como tu geres a tua vida.

(De facto, como é que posso estar aqui a criticar os comportamentos alheios, se eu própria não consigo ter uma atitude mais passiva em relação a isto tudo?)

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Mais leituras!

Depois destes, e após ter devorado o último em cinco dias (tinha apenas 638 páginas!), hoje chegaram dois!



Continuação da saga Sangue Fresco (a primeira surpresa do meu maluco)

Suspeito que seja muito bom!

Vou sentir tantas saudades deste tempo para ler, ui se vou!...

domingo, 2 de agosto de 2009

Realidades que nos assolam ciclicamente

Há coisas que não mudam.

É difícil assumir o erro e pedir desculpa.

Subverter as situações é a solução para descartar a responsabilização dos factos.

É muito difícil compreender o outro lado da questão quando apenas se vê (e apenas se quer ver) um dos lados.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Desabafos

... Às vezes é mais fácil dizer o que nos vai na alma escrevendo do que fazê-lo olhos nos olhos.

Acho que a nossa conversa via msn de ontem nos fez bem!

É pena que esta abertura aconteça tão poucas vezes!

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Presente



Este selo foi-me oferecido por A minha Essência, a quem agradeço muito.
Regras para receber o selo:
1) Exibir a imagem do selo, que acaba de ganhar.
2) Postar o link do blogue de quem a indicou (muito importante).
3) Indicar 10 blogues de sua preferência. Avisar os seus indicados (não esquecer) e publicar as regras.
4) Conferir se os blogues indicados repassaram o selo e as regras.
E os blogues escolhidos são os seguintes (esta ordenação é alfabética e apresenta uma das razões de escolha):
Afinal a melhor maneira de viajar é sentir – por aquilo que tantas vezes sem se dizer, sente-se;
Cocó na fralda – pela visão da maternidade;
Coisas que tal – pela similitude situacional existente neste momento entre nós;
Doméstico de alta competição – pela arte que transpira em ti;
Janela – pela vontade inesgotável de remar contra a maré;
O que se come – por tudo;
Outro palco – pela poesia e intensidade das palavras;
Roupa prática – pela perseverança e força (não te sintas obrigada a refazer este desafio, mas era inevitável retribuir o presentinho);
Silenciar o silêncio – pela fusão imagem/texto, ambos poéticos, belos e intensos.
Falta um... sairá para breve!

domingo, 26 de julho de 2009

Leituras com amor!...

Desde que estou confinada a estas paredes, e após o meu maluco me ter feito esta surpresa, a verdade é que as minhas leituras têm tomado outros rumos...
Depois deste...

Veio este

A seguir este


E hoje este...



Provavelmente, se fosse eu a escolher não teria comprado nenhum deles, mas a verdade é que estas escolhas têm-me levado a outros autores, outros ambientes, outros estilos de escrita, abrindo-me, assim, novos horizontes... e conhecer coisas novas é sempre bom!

Para além disso, confesso - amo sinplesmente o facto do meu maluco me comprar livros, porque sei que ele os escolhe efectivamente, lê a contracapa e afins e quando chega tece um comentário acerca da nova aquisição como que a assegurar-me de que aquele livro é mesmo bom... e a verdade é que todos eles têm-se revelado escolhas interessantes e versáteis!
Mais uma faceta do meu querido!

sábado, 25 de julho de 2009

Do início até agora!

(Afinal, no meio da minha ruralidade, ainda consigo fazer umas coisas aceitáveis!)

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Notícias frescas das feijocas!...

Já fui e já cheguei!

Relatório das 32 semanas:
Líquido amniótico - OK
Batimentos cardíacos - OK
Medições - OK (bastante semelhantes - devem estar em competição, nenhuma quer ser muito mais pequena que a outra)
Percentil - 50 OK
Estimativa do peso - 1800 (a da esquerda) e 1780 (a da direita) OK
Particularidades:
Cabelo espetado e olhos grandes - a da direita - «parecida com o pai», segundo a médica.
Colo do útero - OK (com permissão para alguns prazeres da vida, mas sem exagerar)

À pergunta «Já têm nomes?» a resposta continua a mesma «Ainda não!»

quinta-feira, 23 de julho de 2009

O telefone tocou...

... e do outro lado ouvi isto...



Às vezes é assim, através de uma ou outra música dizes-me que estás aí e que pensaste em mim!

Apetecia-me...

… pegar no carro e conduzir sem destino!
… entrar nas animações de sempre e noutras que agora surgem!
… ver todos os espectáculos que ando a perder!
… estar a planear uma viagem de sonho para Agosto!
… fazer a lista das compras para o campismo e o check up do nosso material: tenda, colchões, mesa e bancos, chapéus de sol, etc!
… ir para a nossa ilha, chegar por volta das 9h à vila, tomar o segundo pequeno-almoço naquela esplanada ao pé do coreto (uma torrada e um leite com chocolate fresco) para ganhar forças. Depois ir até ao Quatro-águas, descarregar e partir no barco do costume com o senhor dos óculos fundo de garrafa. Sentir aquela brisa no rosto, dizer adeus ao mundo e sorrir. Desembarcar e ir buscar o carrinho de mão, afinal dizemos sempre que é este ano que levamos menos coisas mas isso nunca acontece. Fazer o check in, procurar o melhor sítio e montar a nossa “vivenda” onde conseguimos andar em pé!
… andar, andar e andar à beira mar, passar o habitual monumento da ilha, até chegar ao sítio onde, com privacidade, todos se misturam naquela imensidão de areal!
… apanhar conquilhas ao fim da tarde e ir a correr ter com o meu maluco por encontrar uma daquelas que nem cabe no gargalo da garrafa!
… jantar com estilo no campismo: entrada - conquilhas à Bulhão Pato; prato principal – esparguete à bolonhesa de pacote!
… comer, por volta das 10h, uma bola de Berlim maravilhosa cheia de gordura e de açúcar, acabadinha de chegar de barco!
… deliciar-me com uma mista de peixe ou cataplana de marisco no Pavilhão da Ilha!
… deitar-me de qualquer maneira: de lado, de costas, de barriga, enrolada em mim e não só!
… ir ao Eduardo das Conquilhas para comer uma mariscada e beber umas imperiais!
… fazer uma jantarada cá em casa e ter a acompanhar as caipirinhas da Bimby!
… ver as largadas de toiros na terrinha do coração e rir dos falsos corajosos!
… ficar a olhar as estrelas deitada no muro em frente ao Duplex alentejano!
… vestir o que me apetece, em especial as minhas calças de ganga de fim de semana!
… sentir o aroma da Vila ao anoitecer!
… passar um dia no Portinho da Arrábida!

… reaver a liberdade perdida!

Para o ano hei-de fazer tudo isto (ou quase) com o meu maluco e as minhas feijocas!

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Oh S. Peeeeeeeedrooooooooo!!!!!!!!

Qual foi a parte do mês de Julho que não percebeste?
Julho = Sol
Dezembro = Chuva

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Sistema Educativo

Naqueles dias, Jesus subiu ao monte seguido pela multidão e, sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem. Depois, tomando a palavra, ensinou-os, dizendo:
- Em verdade vos digo: Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles...
Pedro interrompeu:- Temos que aprender isso de cor?
André disse:- Temos que copiá-lo para o papiro?
Simão perguntou:- Vamos ter teste sobre isso?
Tiago, o Menor queixou-se:- O Tiago, o Maior está sentado à minha frente, não vejo nada!
Tiago, o Maior gritou:- Cala-te queixinhas!
Filipe lamentou-se:- Esqueci-me do papiro-diário.
Bartolomeu quis saber:- Temos de tirar apontamentos?
João levantou a mão:- Posso ir à casa de banho?
Judas Iscariotes exclamou(Judas Iscariotes era mesmo malvado, com retenção repetida e vindo de outro Mestre):- Para que é que serve isto tudo?
Tomé inquietou-se:- Há fórmulas? Vamos resolver problemas?
Judas Tadeu reclamou:- Podemos ao menos usar o ábaco?
Mateus queixou-se:- Eu não entendi nada... ninguém entendeu nada!
Um dos fariseus presentes, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada, tomou a palavra e dirigiu-se a Ele, dizendo:
- Onde está a tua planificação? Qual é a nomenclatura do teu plano de aula nesta intervenção didáctica mediatizada? E a avaliação diagnóstica? E a avaliação institucional? Quais são as tuas expectativas de sucesso? Tens a abordagem da área em forma globalizada, de modo a permitir o acesso à significação dos contextos, tendo em conta a bipolaridade da transmissão? Quais são as tuas estratégias conducentes à recuperação dos conhecimentos prévios? Respondem estes aos interesses e necessidades do grupo de modo a assegurar a significatividade do processo de ensino-aprendizagem? Incluíste actividades integradoras com fundamento epistemológico produtivo? E os espaços alternativos das problemáticas curriculares gerais? Propiciaste espaços de encontro para a coordenação de acções transversais e longitudinais que fomentem os vínculos operativos e cooperativos das áreas concomitantes? Quais são os conteúdos conceptuais, processuais e atitudinais que respondem aos fundamentos lógico, praxeológico e metodológico constituídos pelos núcleos generativos disciplinares, transdisciplinares, interdisciplinares e metadisciplinares?
Caifás, o pior de todos os fariseus, disse a Jesus:
- Quero ver as avaliações do primeiro, segundo e terceiro períodos e reservo-me o direito de, no final, aumentar as notas dos teus discípulos, para que ao Rei não lhe falhem as previsões de um ensino de qualidade e não se lhe estraguem as estatísticas do sucesso. Serás notificado em devido tempo pela via mais adequada. E vê lá se reprovas alguém! Lembra-te que ainda não és titular e não há quadros de nomeação definitiva!
E Jesus pediu a reforma antecipada aos trinta e três anos...

Recebido via email

domingo, 19 de julho de 2009

Tarefas domésticas

De há uns tempos para cá (na verdade, há meses), as tarefas domésticas desta casa são feitas (quase) na íntegra pelo meu maluco!
Ele aspira, lava o chão, limpa o pó, põe roupa a lavar, estende a roupa, levanta a roupa, põe a loiça na máquina, arruma a loiça que está na máquina, arruma a cozinha, vai às compras (nunca traz tudo o que está na lista, mas quase!), compra-me livros (hoje foi o terceiro), enfim, não tem mãos a medir!... e agora já fica irritado quando se suja algo que acabou de ser limpo!...
(Sim, a casa de banho continua a ser um problema, assim como o monte de roupa passada a ferro que a cada semana que passa é maior, tal como os papéis em cima da secretária! Não se pode ter tudo e a evolução já é bastante satisfatória, mas nem seria eu se não apontasse estes três pormenores. Desculpa lá maluquinho! Amo-te demais!)

sábado, 18 de julho de 2009

Teve que ser!

A tentação é irresistível! ... e é tão bom ceder à tentação... (Espero não me vir a arrepender disto! Feijocas, por favor, compreendam esta alma sedenta de acção e saudosa de participar naquilo que a faz tão feliz!)
Quando o maluco chegou, falou-se do «Oh Joaquiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiimmmmmm!» e da «queimada» e então... depois de dizermos aquilo que sentimos é muito mais difícil ficarmos parados, não é? E fomos, só um bocadinho, para matar saudades, tentando viver naqueles breves minutos o que se viveria durante todo o fim de semana.
É claro que mal cheguei gritei «Oh Joaquiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiimmmmmmm!» e foi como se estivesse vestida, pintada e pronta para a zaragata! (As minhas feijocas até se assustaram com o grito! Bem, na verdade não foram só elas a assustarem-se! É a minha imagem de marca, não podia deixar de o fazer!)

Obrigado a todos os que sentiram a minha falta e o manifestaram com palavras e gestos tão bonitos! Foi reconfortante, melhor, foi um banho de amor e reconhecimento o que recebi ontem. Não me esquecerei das frases «Fazes falta!», «Sem ti não é a mesma coisa!», «Já tinha perguntado pela bruxinha!», «Pelo grito só podias ser tu!», «Então, vens fazer a queimada, não é?», «Olha a nossa bruxinha!» «Para o ano estarás cá em força!», etc, etc, etc...

Para o ano estarei em força! E com mais duas assistentes (sem nome ainda, mas com esperança de levar as minhas sugestões a bom porto, pois se não nos dão outras hipóteses...)

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Hoje seria dia de...


... roupa de outros tempos...
... zaragatas...
... nódoas negras...
... correrias...
... tourinha...
... palha, muita palha...
... risos, cumplicidades, companheirismo...
... gritos - «Oh Joaquiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiimmmmmm!»...
... luta do pau...
... espadachins...
... malabarismos...
... brincadeiras...
... pregões...
... vendas...
... roubos...
... ginginha, hidromel...
... pão com chouriço...
... sangria...
... tremoços, amendoins...
... queimada...
...

Às vezes é assim - Cansaço!

O que há em mim é sobretudo cansaço

O que há em mim é sobretudo cansaço
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto alguém.
Essas coisas todas -
Essas e o que faz falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque eu quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...
E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço.
Íssimo, íssimo. íssimo,
Cansaço...

Álvaro de Campos

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Reportagem RTP - Conquista do peso ideal e da imagem perfeita

Cada vez mais a aparência/imagem que o nosso corpo transmite para os outros é preponderante na avaliação que fazem de nós.
Na reportagem da RTP desta noite foi referido que um psicólogo americano fez um estudo e chegou à conclusão que numa primeira abordagem um indivíduo é avaliado 55% pela sua aparência, postura e indumentária, 38% pelo tom de voz e 7% pelo que diz. Se por um lado estas percentagens são surpreendentes (7% pelo que se diz?! Por favor, então as nossas ideias, convicções representam a mais ínfima parte da apreciação do nosso Ser?! 7% só?!), por outro não trazem novidade absolutamente nenhuma (a aparência consegue sempre levar a melhor, para o bem e para o mal)! E é segundo este culto pelo e do corpo que a nossa sociedade vive.
Hoje, na ânsia de corresponder ao esperado, faz-se tudo: "dietas-milagre"; lipoaspiração; etc, etc, etc. A questão é que nenhum método é eficiente a longo prazo se não houver uma (re)aprendizagem alimentar, mas também há necessidade de um acompanhamento psicológico (quem poderia falar muito bem disto seria a minha amiga o que se come).
Não, não estou a exagerar!
Costumo dizer que um «gordo» terá sempre uma mente de «gordo», sendo-lhe impossível resistir a determinado tipo de coisas e o dilema é que quanto mais se quer parar, mais vontade de cometer excessos existe(falo por experiência própria). Normalmente, estes excessos são perfeitamente conhecidos e reconhecidos e até funcionam como uma vingança de si próprio, ao mesmo tempo que se come um chocolate ou um pacote de batatas fritas, interiormente ouvem-se as vozes «Não consigo emagrecer de maneira nenhuma!», «Amanhã começo a dieta!», «Que estúpida, mas por que é que estou a comer isto?». O descontentamento e a falta de auto-estima leva ao consumo descontrolado e excessivo de tudo o que houver por perto. O eterno problema é que numa dieta tradicional os resultados são lentos e um «gordo» precisa de uma motivação-extra para continuar um trajecto que lhe é penoso, mas que ele sabe que tem de continuar para não ser um excluído da sociedade, por isso recorre a dietas radicais na esperança de conseguir atingir os seus objectivos e ser aceite.
Não, não estou a exagerar!
Com que facilidade é que encontramos calças ou saias de números superiores a 40/42? Estes números existem em abundância numa Zara, Mango, Berska, etc, etc, etc, se é que existem? Quem não tem a silhueta perfeita é, sem dúvida nenhuma, marginalizado.
Voltando ao início (e apesar de considerar que temos que ter em atenção o que comemos, porque há processos que não permitem uma marcha atrás), é muito triste perceber que tudo o que somos se resume àquilo que se vê no nosso exterior, que numa sociedade como a nossa, a exigência de uma silhueta perfeita é ponto assente e que por muito íntegros, cultos, informados, etc, etc, etc que sejamos, essa é a parte que menos peso terá na avaliação que fazem de nós.

Vivemos no mundo da aparência e não da essência, da materialidade e não da espiritualidade. Estamos condenados ao mundo das sombras, nunca conseguiremos alcançar o mundo inteligível.

Um tipo de Não-Vida

Era uma vez uma mãe que era só MÃE. Toda ela era MÃE:
Profissão - MÃE;
Vocação - MÃE;
Passatempo - MÃE;
Interesses - MÃE;
Durante o dia - MÃE;
À noite - MÃE;
Nas férias - MÃE;
Todos os dias - MÃE;
Todas as horas - MÃE;
Todos os minutos - MÃE;
Todos os segundos - MÃE;
SEMPRE - MÃE.
Esta MÃE desde o momento do nascimento dos seus Filhos que vivia a vida deles esquecendo-se da dela, talvez até a dela nunca tivesse realmente existido (na verdade, ela sempre viveu em função dos outros, segundo as escolhas dos outros, as opiniões dos outros, anulando-se continuamente).
Os Filhos não eram só Filhos. Eles eram Filhos, amigos, confidentes, namorados, mulheres e maridos, pais, tinham uma profissão, vocações diversas, passatempos, interesses vários, e os seus dias e noites eram povoados por todos os papéis que desempenhavam na sua vida. Os Filhos tinham uma VIDA e preservavam isso.
Os Filhos eram muito diferentes entre si.
Um via a MÃE a viver uma não-vida, mas não mostrava qualquer preocupação em relação a isso.
O outro não conseguia suportar a não-vida da MÃE e já tinha tentado de tudo para que a MÃE tivesse uma vida sua.
Nada tinha resultado. Nada iria resultar.
A MÃE, por ser MÃE, por ter sido sempre MÃE, recusava-se sequer a ouvir o que o Filho tinha para lhe dizer e quando ouvia o resultado era a negação total acompanhada de olhos rasos de lágrimas. Para ela, os apelos, os alertas, os conselhos do Filho eram farpas por ele cravadas, eram maneiras de a afastar da sua vida, algo que ela era incapaz de suportar.
À medida que o tempo ia passando, e por condicionantes da vida, a MÃE foi gradualmente ficando mais dependente da vida dos Filhos e dos netos.
A MÃE só queria fazer aquilo que os Filhos faziam, só queria ir aos sítios que os Filhos iam e quando os Filhos iam (quase numa imposição da sua presença), recusando-se a acompanhar o Pai para o que quer que fosse que não envolvesse os Filhos. Para o Filho que não suportava esta dependência, a situação tornou-se cada vez mais difícil, acabando por deteriorar a própria relação que eles tinham, e que um dia tinha sido muito boa (deixou de ser quando o Filho tentou que a MÃE mudasse de atitude), porque não só não conseguia conceber a não-vida da MÃE como uma forma de vida, como também se sentia invadido na sua privacidade.
Soluções não se vislumbravam, ou pelo menos não eram aquelas que o Filho melhor assumiria, afinal custava-lhe assistir à aniquilação do Ser sem fazer nada, embora soubesse que tudo o que poderia fazer nunca seria bem visto pela MÃE nem facilitaria a sua mudança.
MÃE e Filho viviam magoados com tudo isto.

Contra tudo o que possamos defender e acreditar, às vezes o melhor é deixar andar, não pensar muito, não querer levar a nossa avante, esquecer a luta pelos nossos princípios e ideais, porque, frequentemente, quando queremos melhorar seja o que for, acabamos por fazer pior ainda, já que as nossas boas intenções não mal interpretadas.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

domingo, 12 de julho de 2009

Foi hoje!


Depois de uma viagem de carro em posição horizontal e a cumprir todos os limites de velocidade...


Depois de ser deixada à porta da esplanada para me poder recostar numa cadeira sem ter que andar muito...


Finalmente a visão do imenso mar à minha frente!




...





Os astros reuniram-se para me proporcionar um mar como há muito poucas vezes por estas bandas...


Portei-me (quase) muito bem!...




...




Quem é que poderia resistir a ir molhar só o pézinho?...





(De repente lembrei-me daquela história infantil da formiga que eu ouvia no gira-discos com sotaque brasileiro: "Oh Sol, tu que és tão forte, tira a neve do meu pézinho!" - há palavras que nos transportam para outros universos!)


sábado, 11 de julho de 2009

Depeche Mode no Porto



Pois é, parece que o meu querido David Gahan adivinhou que eu não poderia ir ao Porto e, não teve de modas, lesionou-se (com certeza numa daquelas coreografias de anca/rabo que só ele sabe fazer) e cancelaram o espectáculo desta noite!

Lamento, amiguinhos que compraram o bilhete, mas é assim, quem tem transmissões de pensamentos com o meu queridinho tem tudo! Hi, hi, hi, hi!


Fora de brincadeiras - espero que melhores depressa, afinal, parece que estes últimos tempos não têm sido nada famosos!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Hoje foi dia de ouvir as feijocas!

Consulta das 30 semanas.
Pelos vistos o repouso faz milagres. Parece que está tudo bem e o facto de ter chegado às 30 semanas é muito bom sinal.
Ouvi o coração das minhas feijocas.
Uma deixa-se encontrar muito bem, a outra brinca sempre às escondidas.
Uma tem um ritmo cardíaco de 140/160 e a outra de 130/140.
Enfim, ainda não nasceram (e que permaneçam por aqui ainda mais umas semanitas, se puder ser para aí umas 8 a gerência agradecia!) e já mostram a sua personalidade única e inimitável.

Depois do momento de desespero "postado" anteriormente, no fim da consulta, "supliquei" à médica para que ela me deixasse, um dia destes, ir ver o mar... e ela disse que... SIM!!!


Estou tão feliz e ansiosa!!!

Campanha eleitoral e gripe A

Estou curiosa...
Como é que os nossos políticos vão fazer nesta campanha eleitoral o périplo pelas feiras com os habituais beijos e abraços?
Tenho tantas saudades da minha liberdade...

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Fazer a folha...

Fazer a cama...
... e tantas possíveis expressões para definir as notícias de ontem!

Claro, a versão oficial é que é para o meu bem! O cinismo é uma coisa linda!

terça-feira, 7 de julho de 2009

É uma tristeza...

... ouvir dizer «É um orgulho ser português» só porque o Cristiano Ronaldo é o melhor jogador do mundo e ontem teve 80 mil à espera de ver um sorriso e um aceno. Para mim, tudo isto é um exagero. Não é minha intenção tirar o mérito ao rapaz, mas tudo o que se passa à sua volta é a histeria total.

P.S. - O que eu gostei mesmo, foi ter ouvido o «À minha maneira» dos Xutos e Pontapés. Este foi o único pormenor que conseguiu elevar esta apresentação megalómana.

domingo, 5 de julho de 2009

O que é que eu lhe faço?




Não sei o que se passa hoje com o gato.

Ou melhor, até sei, a cada dia que passa, parece-me que ele se vai apercebendo de toda a situação e vai ficando cada vez mais carente, o que lhe anda a provocar sérias perturbações emocionais.

Hoje, conseguiu superar-se a si próprio.

De manhã aninhou-se nas minhas pernas e dois minutos depois deu-lhe um ataque, saltou, como se se tivesse assustado com alguma coisa, e arranhou-me.

Logo depois fez chichi numa mala de viagem e quando o meu maluco lhe foi bater até lhe rosnou.

Agora acabou de arranhar a C, que estava cá em casa.


O que é que eu lhe faço?

Eu só queria que ele continuasse com a sua vidinha do costume.

É verdade que ele não gosta de crianças, nunca gostou, mas a minha esperança era que ele, como tantos outros gatos que eu conheço, se fosse habituando à presença das minhas feijocas quando nascessem, mas... neste momento já começo a duvidar seriamente que isso possa acontecer.

Ele hoje está doido de todo!
Eu juro que ele sabe ser muito carinhoso, muito mesmo, normalmente não tem este tipo de atitudes, aliás, muitas vezes até prefere esconder-se das pessoas estranhas e não incomóda ninguém, ou então fica no seu canto e se ninguém o chatear ele também não o faz, ou então vem pedir festas (claro, dependendo das pessoas)...


Contra tudo o que eu desejava, acho mesmo que vou ter que pensar em arranjar outra família para o gato.

Eu que só queria que todos se dessem bem!...

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Feijocas malucas

Esta noite as minhas feijocas têm estado completamente malucas! É que ainda não pararam um bocadinho!
Isto promete!

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Parabéns...

... ao meu pai que faz hoje 70 anos, mas que continua a dizer que tem 29!

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Surpresa!


... e se de repente no meio das compras do supermercado saltar um livro, isso é?...

O meu maluco foi fazer umas comprinhas ao supermercado e comprou um livro para a sua maluca! No meio do stress que tem sido a nossa vida, esta atitude derreteu-me.

Quanto mais não seja por isto, vou amar o livro!


O quarto das feijocas

«Grão a grão enche a galinha o papo» e «Devagar se vai ao longe» e «Mais vale tarde que nunca» e «Até o lavar dos cestos é vindima» e... e... e... e todos aqueles provérbios que defendem a calma e o devagar devagarinho, já que também esta é uma forma de chegar longe...

Vamos ao concreto e ao agora (lamento que o devagar me faça um bocadinho de comichão)!

O quarto das minhas feijocas foi finalmente pintado! UAU! Este feito não teria sido possível sem a ajuda dos meus vizinhos J e C que para além de "terem dado o litro" nesta odisseia também fizeram sugestões milagrosas! Confesso que nesta altura do campeonato eu já só queria que o quarto fosse pintado com as cores escolhidas e já não estava a fazer questão nos efeitos pretendidos nas paredes, mas... após a sugestão não resisti, mesmo sabendo que estava a dar mais trabalho, e o resultado está maravilhoso!

Aqui ficam umas fotografiazitas...





terça-feira, 30 de junho de 2009

Ai!

Mário Viegas no seu melhor!

Ai!

sábado, 27 de junho de 2009

Odeio...

... o «Depois vê-se», quando já passou muito tempo e é Agora, , que tem de ser feito!

sexta-feira, 26 de junho de 2009

O homem-menino

Quando eu era menina gostava do rei da Pop, não, nunca fui fanática nem o considerava um ídolo, mas sempre lhe reconheci o seu valor e importância.
Hoje, quando soube da sua morte, as primeiras memórias que tive foram as viagens para o Algarve e o "karaoke" que eu e a minha irmã fazíamos. O banco de trás do Fiat 127 era nosso, tal como o gravador a pilhas, mais conhecido por "tijolo", que passava vezes sem conta o Billie Jean e o We Are The World. As nossas imitações desta última ainda estão bem presentes...


Já não vale a pena dizer nada...

Há uns anos atrás disse-te aquilo que continuo a pensar que era o correcto: se te faz feliz... se é isso que queres... se te sentes bem...

Depois da descoberta e do julgamento cobarde a que foste submetida e a que te submeteste, não me calei: em qualquer conflito as duas partes têm uma quota parte de culpa... não foste só tu quem o fez... não te deixes enganar... não deixes que te culpem... toma uma decisão... não podes viver assim... há muitas formas de violência...

Por amor, por comodismo, por fachada, ficaste, acreditando que a submissão te daria a felicidade, e eu alertei: estas não são as melhores bases de sustentação... tu não podes viver assim... não podes ser eternamente culpada pelo passado, mesmo por que não foste a única, apesar de não haver confirmação efectiva... não prescindas da tua felicidade e bem estar... se não és feliz toma uma atitude...

Hoje, e ciclicamente, a situação continua a acontecer. Continuas a ser enganada, mas sempre à espera que as coisas se resolvam a bem ou que seja ele a sair porque não queres tomar essa decisão, afinal, ele faz sempre questão que sejas tu a sentir-te culpada.

Desta vez foste tu que disseste que não valia a pena eu dizer nada e eu não disse, limitei-me a sorrir quando me contaste a história que ouviste hoje de manhã.

O que eu penso é óbvio, infelizmente o que se vai passar também é óbvio.
Mais uma vez vai tudo continuar na mesma: tu serás sempre aquela que sofre, ele continuará como gosta.

(Escusado será dizer que para ele eu sou a amiga que não é amiga porque não dá bons conselhos. É natural que ele assim pense, afinal, eu não embarco nas histórias aos quadradinhos que ele conta.)

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Às vezes...

... nem sei o que sinto, nem o que penso, nem o que quero, nem o que espero, nem o que desejo, nem o que é certo, nem o que é errado, nem o que é exigível...

... o único sentimento que impera é a impotência, a incapacidade de agir...

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Mimos via email

Uma das minhas "meninas bonitas" enviou-me este vídeo via email, dedicando-me esta música. Aqui fica, música e letra, com toda a verdade que elas contêm.
Felizmente há pessoas que se cruzam na nossa vida para ficar!


As coisas vulgares que há na vida
Não deixam saudades
Só as lembranças que doem
Ou fazem sorrir

Há gente que fica na história
da história da gente
e outras de quem nem o nome
lembramos ouvir

São emoções que dão vida
à saudade que trago
Aquelas que tive contigo
e acabei por perder

Há dias que marcam a alma
e a vida da gente
e aquele em que tu me deixaste
não posso esquecer

A chuva molhava-me o rosto
Gelado e cansado
As ruas que a cidade tinha
Já eu percorrera

Ai... meu choro de moça perdida
gritava à cidade
que o fogo do amor sob chuva
há instantes morrera

A chuva ouviu e calou
meu segredo à cidade
E eis que ela bate no vidro
Trazendo a saudade


"Chuva", Mariza

domingo, 21 de junho de 2009

Já fui...

... e já cá estou!
Afinal, as coisas também podem melhorar!
Agora é só continuar a portar-me bem e continuar a "fazer figas" para que as minhas feijocas fiquem e fiquem e fiquem...

sábado, 20 de junho de 2009

Amanhã...

... vou fazer uma visita ao hospital.


Espero que seja apenas uma visita e não uma passagem de ida sem regresso marcado.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Telefonemas irritantes


O que é que se pode fazer quando nos ligam a relatar algo que sabem que nos vai irritar, mas fazem-no dizendo «Não te estou a irritar nem a preocupar, pois não? Não é essa a minha intenção!»? E se, não contentes com a façanha, ainda nos ligam a seguir com o famoso «diz que disse» envolvendo a nossa vida, ou melhor, não-verdades acerca da nossa vida?

Haja paciência!

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Nomes

É verdade, a "guerra" dos nomes continua e agora com a iminência de um nascimento a muito curto prazo, parece que a solução está cada vez mais longínqua!
Era tão fácil se o meu maluco concordasse com a mensageira dos deuses e com a "anti-Cristo", como ele lhe chama.
As miúdas ainda nascem e em vez de nomes vou ter que dizer à enfermeira «Olhe escreva aí bebé A e bebé B, porque as conversações ainda não terminaram»!!!

terça-feira, 16 de junho de 2009

Lindo!

Two Men - Zumanity

Egoísmo - amor excessivo a si mesmo, subordinando os interesses alheios ao seu próprio interesse.

Altruísmo - amor desinteressado ao próximo; gosto de fazer bem aos outros. Doutrina ética que prescreve a abnegação e a procura do bem alheio como princípios supremos da moralidade.


... ou de como o sexo masculino se encaixa no primeiro sentimento e o sexo feminino se encontra no segundo...

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Como gente grande – reportagem TVI

Infelizmente, a reportagem que passou hoje na TVI mostra a realidade dos nossos adolescentes.
Hoje a pressa de crescer, de fazer aquilo que os adultos fazem é de tal maneira atroz que os jovens deixaram de viver o que é próprio de cada faixa etária.
Chamem-me o que quiserem, mas não acho normal que miúdos com doze e treze anos saiam à noite, bebam bebidas alcoólicas e tenham experiências sexuais com a “curte da noite”. Aliás não acho normal que isso aconteça nem aos doze nem aos quinze.
A “impaciência, rebeldia e fúria de viver” mencionadas na reportagem só fazem com que a vida dos adolescentes de hoje seja vivida precocemente e por isso deixe de fazer sentido muito mais cedo, deixe de haver a novidade e a surpresa próprias de cada acontecimento novo.
Choca-me ouvir uma miúda de quinze anos dizer que bastam “cinco dias, uma semana para dar o passo seguinte” numa relação (entenda-se o que se quer dizer com “passo seguinte”).
Choca-me ouvir um rapaz de dezassete anos dizer que já não tem vontade de ir para a noite, porque já conhece tudo.
Como é que é possível? Está a perder-se tudo.
Eu só comecei a sair à noite (ir a bares e discotecas) com os meus dezoito anos e, mesmo assim, foi preciso fazer um contrato com os meus pais em que eu me comprometia a fazer uma série de coisas para poder sair seis vezes por ano à noite e chegar no primeiro comboio da manhã! Por isso mesmo, “sair à noite” adquiriu uma grande importância na minha vida e durante muitos anos gostei da noite e fui descobrindo mais sítios e hábitos, sabendo sempre pesar o que devia ou não fazer.
Na minha educação, a disciplina, a autoridade e o “não” sempre estiveram presentes e foram eles que me formaram e me fizeram saber distinguir o bem do mal. Os meus pais sempre foram pais com tudo o que isso representa.
Hoje, como referia o psicólogo Quintino Aires, a figura do adulto tende a desaparecer, porque tudo o que “cheira a imposição, cheira a ditadura” e todos os pais fogem disso. Segundo ele, os pais têm medo de dizer que não e gabam-se de serem o melhor amigo e a melhor amiga dos seus filhos, quando na realidade esse é um erro crasso. Os pais têm que ser pais, têm que representar a autoridade, a disciplina, o respeito. Os filhos têm que obedecer aos pais, respeitar as pessoas mais velhas e saber lidar com o “não” e com a frustração.
Hoje, com medo de perder os filhos, nunca se chega a tê-los efectivamente, porque os papéis deixam de servir às partes implicadas cedo demais.
Hoje, a crença no “sim” e na condescendência faz com que os jovens sejam cada vez mais imaturos (apesar do seu aspecto exterior nos mostrar o contrário) e acreditem no facilitismo de tudo, afinal tudo lhes é permitido.
Hoje, acredita-se em pedagogias que estupidificam as crianças porque elas não podem ser confrontadas com o erro e a frustração, nem podem levar uma palmada no momento certo, pois podem ficar com traumas.

Torno a dizer, chamem-me o que quiserem, mas hoje perdeu-se toda a noção de crescimento e educação.
O “não” é uma das palavras mais importantes na educação.
Lidar com o insucesso e a frustração faz bem aos adolescentes, fá-los crescer e saber superar os obstáculos que a vida lhes reserva.
Experimentar tudo cedo demais retira o sabor da vida, retira a surpresa, a descoberta…
Saltar a adolescência para fazer uma vida adulta cria adultos sem responsabilidade e noção dos limites.

Sim, eu sei que vou ser mãe.
Sim, sei que educar não é fácil.
Sim, a teoria é sempre muito fácil.
Espero não me esquecer de nada do que aqui escrevi.
Espero que quando me desviar dos meus ideais me lembre/me lembrem de consultar as minhas próprias palavras.